Perguntas Frequentes

Confira quais são as principais dúvidas relacionadas à Bolsa de Valores e suas respectivas respostas.

Fundos de Investimento

  • A Composição da Carteira reflete o tipo (ações, renda fixa, multimercado, e outros), a política de investimento e a estratégia do fundo. Não deixe de analisar o regulamento do fundo, escolhendo o fundo que possui uma estratégia de investimento relacionada com seu perfil de investidor.
  • Os fundos são classificados em vários tipos, mas os mais comuns são: Fundos DI, de Renda Fixa, Multimercados, Cambiais, Derivativos e de Ações.
  • Trata-se de uma aplicação financeira criada por um grupo de pessoas que desejam investir seu dinheiro em ações. Ele pode ser  criado por empregados ou contratados de uma mesma entidade ou empresa, ou ainda, por um grupo de pessoas que têm objetivos em comum, como professores, metalúrgicos, donas-de-casa, médicos, aposentados, entre outros. Para criar o Clube de investimentos, você vai precisar de um administrador – a Corretora.

    • Taxa da Administração: é remuneração cobrada pelos serviços prestados pela instituição financeira que administra o fundo, variando de acordo com a complexidade do fundo.
    • Taxa de Performance: taxa cobrada por alguns fundos pelo seus desempenho, sendo cobrada sobre o percentual da rentabilidade do fundo que excede o “benchmark". (Índice que servirá como parâmetro para comparação de investimentos).
  • Imposto de Renda (IR)

    1. Enquanto o Fundo mantiver uma carteira de longo prazo, como tal entendendo-se uma carteira de títulos com prazo médio superior a 365 (trezentos e sessenta e cinco) dias, o imposto de renda será cobrado às alíquotas de:
      1. 22,5% (vinte e dois inteiros e cinco décimos por cento), em aplicações com prazo de até 180 (cento e oitenta ) dias;
      2. 20% (vinte por cento), em aplicações com prazo de 181 (cento e oitenta e um) dias até 360 (trezentos e sessenta) dias;
      3. 17,5% (dezessete inteiros e cinco décimos por cento), em aplicações com prazo de 361 (trezentos e sessenta e um) dias até 720 (setecentos e vinte) dias;
      4. 15% (quinze por cento), em aplicações com prazo acima de 720 (setecentos e vinte) dias.
    2. Caso o Fundo esteja inserido na hipótese da alínea (a), quando da incidência da tributação pela modalidade "come cotas" o Imposto de Renda será retido na Fonte pela alíquota de 15% (quinze por cento)no último dia útil de maio a novembro de cada ano. Por ocasião de cada resgate de cotas, será apurado o cobrado eventual complemento de alíquota entre aquela utilizada na modalidade "come cotas" e a aplicável segundo o inciso acima.
    3. Caso o Fundo mantenha uma carteira de curto prazo, como tal entendendo-se uma carteira de títulos com prazo médio igual ou inferior a 365 (trezentos e sessenta e cinco dias), o imposto de renda será cobrado às seguintes alíquotas:
      1. 22,5% (vinte e dois inteiros e cinco décimos por cento), em aplicações com prazo de até 180 (cento e oitenta) dias;
      2. 20% (vinte por cento) , em aplicações com prazo acima de 180 (cento e oitenta) dias;
    4. Caso o Fundo esteja incluído na hipótese da alínea (c), quando da incidência da tributação pela modalidade "come cotas", o imposto de Renda será retido na Fonte pela alíquota de 20% (vinte por cento) no último dia útil de maio e novembro de cada ano. Por ocasião de cada resgate de cotas, será apurado e cobrado eventual complemento de alíquota entre aquela utilizada na modalidade "come cotas" e a aplicável segundo o inciso acima.

    Imposto sobre Operações Financeira (IOF)

    É cobrado de acordo com uma tabela regressiva sobre o ganho até o 29º dia da aplicação, que se torna isenta a partir do 30º dia.

  • Fundo DI busca acompanhar as taxas de juros do mercado. Quando os juros estão em alta, os rendimentos sobem. Quando as taxas de juros caem, a rentabilidade apresenta essa mesma tendência. As aplicações são feitas em títulos pós-fixados, acompanhando a flutuação das taxas de juros.

    Já o Fundo de Renda Fixa não necessariamente acompanha as taxas de juros do mercado. Sua carteira pode ser composta tanto por papéis prefixados como pós-fixados. É a opção de investimento mais indicada diante de um cenário de queda nas taxas de juros.